terça-feira, 24 de novembro de 2015

Rio na Paraíba muda de cor após receber água poluída, diz pescador

24/11/2015 16h10 - Atualizado em 24/11/2015 17h36 
 
Água tinha coloração azul e cheiro de veneno, segundo pescador.
Sudema diz que monitora bacia.
 
André Resende Do G1 PB


Rio Gramame, que naturalmente tem uma cor mais barrenta, apresentou no domingo um tingimento azul (Foto: Sérgio Santos/Arquivo Pessoal)
Rio Gramame, que naturalmente tem uma cor mais barrenta, apresentou no domingo
um tingimento azul (Foto: Sérgio Santos/Arquivo Pessoal)

As águas do Rio Gramame, na divisa de João Pessoa com a cidade do Conde, estão tingidas com uma substância azul. A denúncia da contaminação da água do rio foi feita pelo pescador Sérgio Santos no domingo (22), por meio do seu perfil em uma rede social. O pescador fez  fotos e vídeos mostrando o rio com uma coloração diferente e publicou no seu perfil em uma rede social. Até esta terça-feira (24), as fotos tinham sido compartilhadas mais de 22 mil vezes.

De acordo com Sérgio Santos, á água azulada é despejada por um canal, que, segundo ele, é proveniente de uma das empresas instaladas no Distrito Industrial de João Pessoa. “Além da cor, muito diferente da cor natural do rio, a água tem um cheiro muito forte de veneno. Os peixes já morreram há muito tempo, mas dessa vez até os camarões, que são mais fortes, não aguentaram a poluição”, lamentou o pescador, de 31 anos.
Por conta dos problemas ambientais encontrados no Rio Gramame, um Fórum Permanente de Proteção do Gramame foi formalizado nesta terça-feira (24). Entre os órgãos que constituem o fórum estão o Ministério Público Federal, o Ministério Público da Paraíba, o Ministério Público do Trabalho (MPT), a Secretaria de Meio Ambiente do Município de João Pessoa (Semam), a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), a Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
 
As ONGs que lutam pela preservação da bacia do Gramame, como a Escola Viva Olho do Tempo (Evot), também integram o Fórum, assim como as indústrias têxteis, instaladas nas proximidades do Rio Gramame, que devem colaborar com as ações propostas no fórum. De acordo com Maria Bernadete Gonçalves, presidente da Evot, ficou acordado com a UFPB uma análise da qualidade da água do Gramame e, a partir do relatório da pesquisa, serão definidas novas ações.
 
A proposta para o diagnóstico e monitoramento ambiental das bacias dos rios Gramame e Abiaí vai custar cerca de R$ 654 mil, no sentido de criar uma base de dados sobre os principais problemas que estão interferindo na qualidade da água que abastece a Grande João Pessoa. A execução do projeto começa a partir de janeiro de 2016.
  
Água com cheiro forte e coloração foi flagrada por pescador sendo despejada no Rio Gramame (Foto: Sérgio Santos/Arquivo Pessoal)
Água com cheiro forte e coloração foi flagrada por
pescador sendo despejada no Rio Gramame
(Foto: Sérgio Santos/Arquivo Pessoal)
O presidente da Associação Paraibana dos Amigos da Natureza (Apan), Augusto Almeida, comentou que uma iniciativa semelhante foi feita em meados de 2005, durante uma reunião promovida pelo Ministério Público com os pescadores do Gramame, representantes das empresas têxteis da área e professores da UFPB.
 
“Na época, os pesquisadores da UFPB encontraram um nível de contaminação altíssimo na água, com presença até de metais pesados. Apesar do relatório, nada foi feito na época pelos poderes públicos e agora, dez anos depois, nos deparamos com a mesma situação”, comentou. 
 
Ainda de acordo com Augusto Almeida, a associação deve se reunir com os demais movimentos ligados à defesa e preservação do Rio Gramame para propor uma Ação Civil Pública ao Ministério Público da Paraíba.
 
Durante a criação do Fórum Permanente de Proteção do Rio Gramame, foi assinado um termo de cooperação técnica entre as instituições com o objetivo de realizar um diagnóstico ambiental das Bacias dos Rios Gramame e Abiaí, duas das quais abastecem a região metropolitana de João Pessoa.
 
Até que seja tomada alguma providência por parte dos órgãos competentes, Sérgio Santos vai continuar sem poder utilizar o Rio Gramame para pescar, como ele costumava fazer desde pequeno, quando tinha cinco anos e ajudava sua mãe com o trabalho de pesca. “Eu me criei no rio. Cresci pescando no Gramame. A gente vivia do rio, mas hoje não tem mais como pescar. A quantidade de camarão no inverno de antes dava para a gente passar cinco, seis meses. A pesca de peixe vem de um rio perto daqui, que continua limpo ainda, mas não sabemos até quando, porque uma indústria de cimento se instalou perto. Não sabemos até quando teremos esse rio também”, concluiu.
 
A Coordenadoria de Medições Ambientais (CMA) da Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) enviou uma equipe de fiscalização ao local na segunda-feira (23). "Essa região do Gramame já tem todo um histórico de monitoramento e se mantém dentro da legislação que atende ao enquadramento do rio”, declarou o coordenador João Miranda.




3 comentários:

  1. Que a Sudema é designada oficialmente para monitorar as bacias isso é claro, mas há mesmo execução de tal monitoria, há efetização de medidas e melhoras ou será apenas mais um cabide de empregos do governo? Assiste-se a maus-tratos todo o dia na mídia e a Sudema está "sempre em alerta, monitorando". Mas quando, onde, com que efetividade? Cidadãos e entidades de interesse público (ONGs inclusive) deveriam se unir e acabar com essa ciranda de desmandos de órgãos públicos que nada efetivam, apenas blablabá. Enfim...

    ResponderExcluir
  2. "Essa região do Gramame já tem todo um histórico de monitoramento e se mantém dentro da legislação que atende ao enquadramento do rio”. Peraí, o que se quis dizer com isso, que está tudo bem? É esse tipo de resposta genérica e evasiva que o poder público tem a nos oferecer? A sociedade precisa de respostas concretas e implementáveis e todos nós — unidos para o bem coletivo, comum — deveríamos cobrá-las e não sentar e assistir de camarote.

    ResponderExcluir
  3. Prezado editor do Blog Meio Ambiente da Paraíba

    Trago uma sugestão de pauta, que é um site recém lançado dedicado a
    elaboração de projetos e captação de recursos na área socioambiental, chamado CAPTA. O
    site tem um guia de elaboração de projetos e um quadro de oportunidades
    de editais vigentes.
    A iniciativa é voltada para pequenas entidades que estão em busca de
    projetos e financiamento. Mas atende também a grandes entidades.

    www.ispn.org.br/capta

    Segue o release abaixo. Agradeço se puderem ajudar
    na divulgação. Se necessitarem de mais informações, favor entrar em
    contato.

    --

    Comemorando seus 25 anos de fundação, o Instituto Sociedade, População e
    Natureza lançou em novembro o site “CAPTA – Guia de Elaboração de
    Pequenos Projetos Socioambientais para Organizações de Base Comunitária”.

    O site, fruto de um projeto financiado pelo TFCA/Funbio, tem por
    objetivo oferecer um passo-a-passo para a elaboração de pequenos
    projetos de base comunitária nas temáticas socioambientais, como
    agroecologia, uso sustentável da biodiversidade, comercialização de
    produtos e fortalecimento organizacional. É voltado para pequenas
    entidades, associações, cooperativas, ongs ou grupos informais que
    estejam em busca de financiamento para suas atividades.

    O site oferece ferramentas para diagnósticos participativos,
    planejamento e estruturação de projetos, detalhando os componentes de
    uma proposta de financiamento. Na sessão de Fontes de Financiamento, há
    dicas de como encontrar um financiador para um projeto comunitário, e um
    “quadro de oportunidades”, onde são frequentemente postados editais e
    chamadas de projetos que estiverem vigentes relacionados às temáticas de
    desenvolvimento socioambiental.

    O site CAPTA pode ser acessado pelo endereço www.ispn.org.br/capta


    --

    Atenciosamente Renato Araujo

    ResponderExcluir